Buscar

Como estará o mundo em 2040? Quais serão as macrotendências?

Recentemente, a FIESP/CIESP divulgou um estudo indicando algumas das macrotendências mundiais até 2040 que caracterizarão a indústria e a sociedade. Aproveitamos para abordar o tema e refletir quais são as oportunidades para as empresas brasileiras crescerem e se desenvolverem.



Crescimento e transformações na demanda por saúde


Os fatores que influenciam essas tendências estão relacionados ao aumento da demanda atrelado principalmente ao aumento na incidência de doenças crônicas, a pressão sobre gastos com saúde e maior demanda por serviços diagnósticos, equipamentos médico-hospitalares e medicamento assim como maior demanda por home care e assistência domiciliar. São relevantes também para essa tendência as novas preferências, como maior preocupação com saúde e higiene, maior demanda por saúde personalizada, telemedicina e e-farmácia, e também a prevenção de pandemias.


Espaço para evolução tecnológica em:

  • Sistemas de saúde digital

  • Inteligência artificial e robótica

  • Nano e biotecnologia

  • Vacinas inovadoras

  • Codificação do DNA

  • Ciências ômicas e tecnologias moleculares (DNA, RNA, proteína)

  • Monitoramento e diagnóstico remotos

As oportunidades para o Brasil envolvem:

  • Home care, entretanto há necessidade de qualificação da mão-de-obra, sobretudo considerando o aumento no uso de equipamentos de alta tecnologia nesses serviços.

  • Hospitais de cuidados paliativos para idosos.

  • TIC/Aplicativos/Inteligência Artificial: potencial para projetos combinando capacidade das empresas estabelecidas com o ambiente de startups.

  • Planos de Saúde: modelos de negócio alternativos e startups.

  • Telemedicina: Testes domésticos de infecção e de sangue; sistemas de saúde digital; big data e Inteligência Artificial e monitoramento e diagnóstico remotos.

  • Serviços, equipamentos e produtos para medicina preventiva e preditiva.

  • Maior potencial no fornecimento de medicamentos, produtos e equipamentos médico-hospitalares de baixa e média tecnologia.

  • Biotecnologia: Brasil tem capacidade tecnológica em determinados segmentos, sobretudo em vacinas (Ex.: Butantã e FioCruz). Participação nesses esforços pode facilitar o desenvolvimento interno e produção de vacinas, possibilitado assim oportunidade potencial em tecnologias relacionadas à prevenção de pandemias e serviços médicos especializados.

  • Potencial de desenvolvimento da indústria farmacêutica local pela pesquisa de medicamentos para doenças de países tropicais, uma vez que as empresas multinacionais estrangeiras cada vez mais tem se concentrado em doenças presentes em países desenvolvidos. Potencial pode ser melhor aproveitado com o desenvolvimento de parcerias público privadas.


Crescimento da demanda e transformações na produção de alimentos


O aumento da demanda por alimentos exigirá maior produção mundial, assim como o aumento de demanda específica relacionada ao maior consumo de alimentos ricos em proteína nos países de renda média e baixa, e o aumento da demanda de carne vegetal e carne de laboratório.


A tendência sustenta-se na maior integração da cadeia produtiva no setor de alimentos, na preocupação com a segurança dos alimentos e com sua certificação e rastreabilidade, da mesma forma, na preocupação de consumidores com restrições alimentares por questões de saúde, alergias alimentares, crenças religiosas ou preocupação com meio o ambiente e impacto social. Além das novas preferências por alimentos saudáveis, com redução de aditivos, de procedência conhecida e que fortaleçam a imunidade, de alimentos processados funcionais e de maior validade e a busca por dietas personalizadas.

Ainda há também na cadeia de produção de alimentos a procura por variedades mais resistentes à mudança do clima, uso de bioinsumos e sistemas de irrigação “inteligentes”.


Possíveis oportunidades para o Brasil:

  • Potencial para consolidação como grande exportador de alimentos mundial.

  • Potencial para estabelecer reputação mundial de fornecedor de alimentos saudáveis e com produção ambientalmente sustentável, aumentando o valor agregado das exportações.

  • Aproveitar condição de grande produtor de grãos e outros alimentos para o desenvolvimento da produção de carne vegetal e outros alimentos à base de plantas.

  • Produção de alimentos processados funcionais, aproveitando especificidade dos gostos locais e oferta de produtos básicos.

  • Equipamentos e serviços para digitalização do campo, automação, agricultura de precisão (sensores, IOT, I.A. e drones).

  • Biotecnologia: potencial com capacidade de renomadas instituições de pesquisa como Embrapa e IAC.

  • Desenvolvimento de sistemas de rastreabilidade com blockchain.

  • Utilização de novas tecnologias para produzir em regiões urbanas e regiões áridas e semiáridas.

  • Desenvolvimento e produção de embalagens inteligentes e ambientalmente sustentáveis.


Transição na produção e demanda de energia

Essa também é uma macrotendência para 2040, e aponta para redução das emissões de carbono.


As ações para redução de emissão de carbono deverão abranger diversos segmentos da área de energia, com destaque para: redução na utilização de fontes não renováveis; smart grids: sistemas digitalizados de distribuição e transmissão inteligente de energia; desenvolvimento, crescimento da oferta e redução do custo de fontes renováveis de energia; captura de carbono na produção e uso das fontes fósseis e descarbonização dos transportes.


Perspectivas do estudo apontam para modernização, expansão e digitalização de redes de transmissão e distribuição de energia elétrica e armazenamento de energia.


Evolução tecnológica para células solares orgânicas e hidrogênio verde e hidrogênio azul. E espaço para desenvolvimento sustentável no crescimento das fontes renováveis, por exemplo, parques eólicos offshore; geração fotovoltaica; biogás; captura de carbono; descarbonização dos transportes: eletrificação, células de hidrogênio, etanolhíbrido e etanol-células de hidrogênio


Oportunidades no Brasil:

  • Grande potencial de geração fotovoltaica e eólica.

  • Geração Heliotérmica (energia solar térmica concentrada): o Brasil dispõe de uma alta taxa de radiação normal direta em todo seu território nacional, com melhores condições no Nordeste, onde os valores de irradiação são acima de 2000 kWh/m².

  • Produção de hidrogênio verde para o mercado interno e exportação (exemplo: projeto Ceará)

  • Potencial de produção de biogás em volume equivalente a 44% do consumo interno de diesel.

  • Desenvolvimento de novas tecnologias para mobilidade (veículos particulares, de carga e coletivos), como o etanol-híbrido e etanol-células de hidrogênio.

  • Equipamentos, componentes e serviços para geração de energia eólica, fotovoltaica, biogás, produção de hidrogênio verde, exploração, extração e refino de Petróleo & Gás.

  • Equipamentos para transmissão e distribuição de energia elétrica.

  • Oportunidades no segmento de baterias para veículos e estacionárias, entretanto com necessidade de grande esforço de desenvolvimento tecnológico, e com utilização das reservas de terras raras e minerais estratégicos, por exemplo, nióbio, como alavanca no desenvolvimento de novas tecnologias e da produção local.


Transformação no trabalho e qualificação

Estudo aponta para tendência na alterações nas relações de trabalho, com maior flexibilidade dentro dessas relações, com trabalho híbrido ou remoto e aumento da diversidade no mercado de trabalho. São identificadas também transformações na carreira com o crescimento do empreendedorismo e com uma nova dinâmica de mudança de carreira mais frequente em função de novas oportunidades de trabalho.


Na educação destaca-se o crescimento da educação a distância e um ensino tradicional complementado com aprendizagem constante, pois as transformações tecnológicas mais rápidas exigirão profissionais adaptáveis e em constante aprendizado.


Evolução tecnológica estará presente nos aplicativos colaborativos e plataformas de vídeo, na automação do trabalho, na demanda por serviços em T.I e na concorrência internacional por mão-de-obra qualificada.


As oportunidades no Brasil:

  • Startups brasileiras apresentam grande potencial, mas demandam investimento em tecnologia e inovação, capacitação da mão de obra e avanços em aspectos tributários e crédito.

  • Crescimento nos segmentos associados requer modernização e ampliação da infraestrutura tecnológica.

  • Oportunidade para Serviços de TI;

  • Setor educacional e tecnologias para o setor tem potencial de crescimento. Porém, é fundamental um investimento público e privado educacional que considere as mudanças geradas pela novas tecnologias.

  • Tecnologias e inovações relacionadas à educação e trabalho à distância.


Avanço e transformações na urbanização

As tendências nesse frente envolvem expansão da urbanização em termos mundiais, crescimento das cidades médias frente às grandes metrópoles e novos modelos de ocupação das cidades, como presença de pequenas centralidades nas grandes cidades e busca por espaços colaborativos sustentáveis (exemplo: Coliving). Perspectivas também para aumento da demanda por espaços verdes e de lazer nos centros urbanos.


Relatório mostra novos padrões construtivos que envolvem habitações de baixo custo e sistemas modulares de construção (vantagem de redução de prazos de construção e redução de custos) e retrofit para conversão de imóveis comerciais em residenciais nos grandes centros , em função da recente menor necessidade de escritórios.


A mobilidade urbana contará com transporte coletivo e individual autônomo e interconectado, e maior diversidades de modais (exemplo para crescimento de transporte não motorizado).

Destaque para economia circula que pode ser viabilizada através da Logística Reversa, que são sistemas que promovem a coleta, reuso, reciclagem, tratamento e/ou disposição final dos resíduos.


Evolução tecnológica através das cidades inteligentes, casas inteligentes, maior importância de conectividade e aumento da tecnificação da construção civil. Desenvolvimento sustentável através da eficiência energética das edificações e da purificação do ar.


Oportunidades para o Brasil:

  • Serviços, equipamentos e componentes de TIC, por conta da disseminação do conceito de casa Inteligente e aplicação das tecnologias de cidades Inteligentes (por exemplo, mobilidade urbana interconectada que demanda IA, internet das coisas, Big Data).

  • Concessões ao setor privado na construção e operação de serviços de transporte urbano (por exemplo, metrôs).

  • Construção e/ou operação por concessão público-privada de transporte por trilhos ligando metrópoles e cidades médias, por conta do progressivo esgotamento da capacidade da estrutura viária.

  • Economia circular/logística reversa: espaço para desenvolvimento de novos modelos de negócio e fornecimento de sistemas inteligentes de monitoramento, coleta e comercialização de materiais. Destaque para potencial de aproveitamento do ambiente de startups para aceleração do processo inovativo.

  • Na cadeia da construção civil, há potencial aumento de produtividade e redução de custos da construção com novas tecnologias construtivas (lean construction, construção industrializada, robótica, Indústria 4.0, BIM - Modelagem da Informação da Construção).


Expansão e modernização da infraestrutura

Estudo indica construção e recuperação da infraestrutura de transportes. No Brasil identifica-se necessidade de investimento geral em infraestrutura de 4,7% do PIB por 20 anos.


Perspectivas de aumento de investimento em telecomunicação no geral, implantação das novas redes 5G, redes de internet em banda larga com maior capacidade e velocidade, computação em nuvem e computação de borda (consiste em realizar as operações de processamento de dados o mais próximo possível das fontes de dados. Exemplo: em uma empresa, o processamento de dados de cada unidade produtiva é realizado em dispositivos e redes locais, ao invés da centralização das operações em servidores).


O relatório traz também tendências relacionadas ao saneamento básico, como a construção e modernização da infraestrutura de saneamento básico, e a preservação dos recursos hídricos globais, através, por exemplo, do aumento da eficiência do uso da água na produção de alimentos, do aumento dos investimentos em saneamento básico, de sistemas para distribuição inteligente de água e redução de desperdícios, do desenvolvimento da tecnologia e aumento dos investimentos em dessalinização e da economia circular, que gera economia indireta de água.


Oportunidades no Brasil:

  • PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) contém mais de mais de R$ 130 bilhões em projetos na área de transportes (rodovias, ferrovias, portos e aeroportos), sem prazo definido de execução. Além de modernizar e expandir a infraestrutura logística, é oportunidade para alavancar a cadeia da construção e de transportes

  • Sistemas de controle e gestão de tráfego: serviços e componentes/equipamentos de TIC, aplicações de Big Data e Inteligência Artificial.

  • Licitações para redes em 5G e redes em Banda Larga: serviços, componentes e equipamentos de TIC.

  • Investimentos em computação em nuvem e computação de borda pelos setores de serviços, comércio, indústria, e setor público: serviços de T.I. e fornecedores especializados de componentes/equipamentos de TIC.

 

Com essa perspectiva das megatendências percebemos que inovação e tecnologia são imprescindíveis para evolução das empresas, não mais apenas um diferencial. Tendo isso em mente ressaltamos que toda empresa que inova tem incentivos possíveis para buscar e a Galapos pode auxiliar nessa captação.


Galapos explica: Os incentivos são leis e decretos que garantem benefícios para incentivar que empresas invistam em pesquisa e desenvolvimento, inovação e em industrialização.


Em constante crescimento também no dia a dia das grandes corporações está a prática do Open Innovation com a ideia de trazer uma abordagem menos centralizada e criar um ambiente colaborativo onde as empresas se associam a ecossistemas de inovação, envolvendo startups, outras empresas, universidades ou até o setor público, para acelerar projetos e unir forças.


Vamos evoluir juntos?


“Não são as espécies mais fortes que sobrevivem, nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudanças.”

Charles Darwin